terça-feira, 16 de fevereiro de 2010



Não sei o que aconteceu nem como aconteceu mas tu... desististe de mim...
eu acreditei em ti. acreditei que o nosso amor fosse forte...
que pudéssemos lutar e ultrapassar os obstáculos...
mas foste embora...
sem olhar pra traz, sem nem ao menos te despedires, nem um abraço me deste, nem um tchau ,eu não mereci, eu agora estou aqui sozinha...
tudo que restou foi um vazio na minha vida e no meu coração
desistiu de mim...
se eu tivesse PALAVRAS pra dizer como dói. Eu diria. Dentro de mim estou gritando, desesperada pedindo que voltes pra nós.
Eu não sei se passo pelos dias ou se os dias é que passam por mim. Está tudo preto e branco, nada tem sentido
...nada...
Tu eras o meu único incentivo, meu único apoio, minha ultima esperança, agora estou aqui tão sozinha tão triste, tão decepcionada,
porque tu desististe de mim, eu só queria entender-me,encontrar-me, sem ti do meu lado eu me sinto sem chão, me sinto sem forças. As noites não tem fim, os dias muito menos...
Está tão difícil agora, eu encontro-te dentro de mim, logo agora que te perdi, desculpa-me mas já não tenho lágrimas pra chorar... o meu coração esta em pedaços, que saudades sinto dos teus abraços... que saudades sinto dos teus beijos... que saudades de olhar nos teus olhos...
Não me deixes acreditar que eu posso viver sem ti... porque assim posso ir embora pra sempre... e não é isso que eu quero... não deixes o nosso AMOR secar nos nossos corações.
Lembras-te? Éramos tão feliz juntos... mas tu... tu desististe de mim...
Só Deus tem sido o meu único amigo nesse momento. ele sabe bem a dor que eu sinto, e o sofrimento que trago comigo nas costas...
Eu não estou feliz com a tua escolha, só queria entender o que aconteceu???
Estou perdida... agora muito mais do que antes, que foi que fizemos com o nosso amor??? Será que a culpa e minha??? Não sei quem deve levar a culpa a única coisa que sei e que
tu desististe de mim... justo quando eu mais precisei, a minha vida nesse momento se resume nisso
uma grande desilusão, realmente eu concordo contigo a vida e uma só e eu também quero amar e ser amada mas se
tu me amavas como dizias... se me amas ainda de verdade.. jamais... desistias de mim eu ainda estou aqui sozinha, aqui
contigo no meu coração e o amor continua vivo mas se tu desististe de mim como dói dizer isto...
mas... que sejas muito feliz!

A todos aqueles que desistiram de um amor por simples coisas sem sentido

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010


Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade...
Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pela mãe no meio da noite fugindo de um pesadelo.
Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!




Clarice Lispector

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

SAUDADES

Tenho saudades de ti. Saudades dos nossos momentos... Saudades dos nossos momentos bons e dos maus também. Tenho saudades das nossas conversas sem pé nem cabeça, saudades das nossas discussões. Tenho saudades dos nossos passeios, da nossa vida nada parecida, do teu sorriso quando falavas algo engraçado, da tua cara de ódio, quando mesmo sem querer eu te irritava. Saudades do nosso amor intenso, único e todo errado, das nossas manhãs, tardes, noites e madrugadas. Saudades dos teus medos e da maneira que eu cuidava deles. Saudades da maneira como tu te preocupavas comigo, saudades da tua fraqueza, que me dava força para ser forte. Saudades do nosso primeiro beijo e do último também. Saudades da nossa vida tão igual e tão desigual. Tenho saudades de quando tu aparecias do nada e me fazias sorrir pelo simples facto de estares ali. Tenho saudades do teu amor intenso, da maneira que tu dizias “eu amo-te” deixando um brilho nos meus olhos. Saudades das tuas mãos nas minhas, a minha boca na tua. Saudades dos meus braços à procura dos teus e dos teus braços procurando os meus. Tenho saudades dos planos que fizemos, dos nossos sonhos impossíveis que na nossa vida tentamos juntos construir. Tenho saudades de tudo que se realizou e de tudo que não se realizou. Os nossos telefonemas antes de dormir, as nossas palavras doces, nossas palavras duras e a nossa vontade de ser o outro de ser do outro. Tenho saudades de ti ao meu lado, tenho saudades da tua presença em mim mesmo na tua ausência. Tenho saudades de ti fazendo-me chorar e eu fazendo-te sofrer. Tenho saudades de tudo o que vivemos e do que não conseguimos viver. Tenho saudades da tua maneira de não saber me amar. Tenho saudades da nossa dependência um do outro, da nossa forma de esquecer o mundo quando estávamos juntos. Da nossa maneira simples de ver a vida. Vida que não foi nada simples. Tenho saudades de ser tua, só tua. De te pertencer inteiramente, fazendo parte da tua vida, saber o que estavas a fazer e com quem estavas a fazer. Tenho saudades da nossa história, a mais estranha que alguém já escreveu. Tenho saudades do que contamos um para o outro, dos segredos que temos, que escondemos. Saudades do meu aniversário, do teu aniversário. Saudades do nosso “tempo”, de cantar mas estar a cantar só para ti. Tenho saudades do nosso namoro escondido, onde só éramos eu e tu. Tenho saudades do nosso amor, nossas juras, nossas promessas, nossos encontros e dos nossos desencontros.Tenho saudades de dizer “amo-te para sempre”. Tenho saudades de estar contigo, simplesmente por estar. Tenho saudades de tua amizade, da tua força e de tua confiança em mim, em nós. Tenho saudades da tua voz, do teu carinho, da tua paixão, do teu desejo, das tuas loucuras, da tua inteligência, do teu talento. Saudades de ti quando estavas comigo. Saudades de mim quando estava contigo. Saudades do nosso casamento que não aconteceu. Saudades dos filhos que não tivemos. Saudades do futuro que não vivemos. Saudades de ti. Mas o que mais dói de toda esta saudade é saber que de tudo que eu sinto saudades está destinado para outro alguém. Outro alguém que já odeio, outro alguém que não terá a mesma saudade que eu sinto, porque não serei eu. Como dizia o poeta “em algum lugar deve existir, uma espécie de bazar, onde os sonhos extraviados vão parar”. Acho que os nossos sonhos e planos se extraviaram e foram parar nenhum lugar, mas na minha mente, nela pararam e não me deixam seguir em frente nem viver, não me deixam sentir saudades de outro alguém. E é por isso que vivo sentindo saudades. Saudades de mim, de ti, saudades de nós..

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

CARTA DE DESPEDIDA


É fácil entender o teu cansaço, teus porquês, teus ais. Difícil é entender a tua indiferença, tua distância. Não me peças compreensão, não me peças para não confundir isso com falta de amor, pois para mim desatenção é falta de amor. Estou dolorosamente magoada, sofridamente sofrida. Amor não deveria causar dor, mas é sempre o caminho pelo qual atravessamos. Amar dói. Dói sempre, mesmo quando estamos felizes. E como dói! E deixar de amar não causa alívio. Aí está a difícil escolha. Escolha!!! Como se tivéssemos escolha! Como se fosse possível comandar este pedaço pulsando dentro de mim e dizer-lhe que ame ou desame! Ele tem vida própria. Pior, vontade própria. De uma teimosia inacreditavel! E como é mimado, cheio de vontades! Não aprende nunca! E tu assim, brincando com ele como se fosse apenas de papel...
Se descutimos, jogamos pra fora as mágoas que estão por dentro antes que criem raízes. Mas o silêncio me fere! Discute comigo, mas não fiques calado. Não suporto a voz do silêncio quando sinto que há tanta coisa que poderia ser dita.Depois que te conheci, passei a ser nós. Agora preciso aprender a ser novamente eu. Serei de nós dois a parte que ficou. Ficou triste e desamparada, mas cheia de vontade de seguir adiante. Porque a vida não acaba quando um amor acaba, ela apenas toma uma nova direção.
Um dia puderei ser tua amiga, a melhor que tu já tiveste, mas não me peças para deixar em pausa o meu amor. Mas tu, tu precisas de um amigo, não de um coração perdidamente apaixonado por ti. Só que como nunca aprendi a separar bem as coisas, deixo aqui esta carta de despedida. Me despeço sim, desse amor, porque este amor só me tem feito sofrer, não aguento mais tanta mentira, a tua passividade, a tua falta de amor, eu quero e mereço muito mais que uma vida vivida pela metade. É mais fácil procurar um ombro amigo que um coração amoroso quando se está infeliz. Pelo menos para alguns. Então deixo meu amor nessas linhas. Tenho ainda lindos momentos para recordar, de tudo o que vivemos. E eles enfeitarão minhas noites como as gotas de chuva na janela.
Espero que sejas muito feliz
Adeus meu amor

domingo, 7 de junho de 2009

MEDO.......


A nossa história,
É uma história de Amor,
E também de dor.
Quando te conheci,
Senti que tinha encontrado um rumo na minha vida.

Eras tudo o que eu sempre tinha procurado,
Sem nunca ter encontrado.
Apaixonei-me por ti,
E depressa tu te tornaste a minha vida.

Passamos por muitas dificuldades,
Mas o Amor ainda nos une,
Tentamos superar tudo,
Mesmo quando tudo parece perdido.

Vivemos dias Felizes,
Vivemos dias Tristes,
Mas juntos e unidos,
Tudo ultrapassamos.

Tenho muito medo de te perder,
Se isso acontecer eu nem sei.
Hoje o meu medo é maior,
Hoje tenho medo que te levem de mim.

Rezo para que tudo seja,
Apenas um enorme pesadelo,
Rezo para que acorde,
E tu estejas a meu lado para sempre.

NÃO TE ESQUEÇAS DE MIM

Onde tu estiveres, não te esqueças de mim

Com quem tu estiveres não te esqueças de mim
Eu quero apenas estar no teu pensamento

Por um momento pensar que tu também pensas em mim

Onde tu estiveres, não te esqueças de mim
Mesmo que exista outro amor que te faça feliz

Se resta, em tua lembrança, um pouco do muito que eu
te quis

Quando tu te lembrares não te esqueças
Que eu não consigo apagar-te da minha vida

Onde tu estiveres não te esqueças de mim
Com quem tu estiveres não te esqueças de mim

quarta-feira, 15 de abril de 2009

PORQUÊ?

Nunca, nunca mais chega a noite

Em que te vou despertar
Nunca mais vou poder esperar
E então ver-te a sorrir
Nunca mais este amor eterno
Poderá me tornar
No calor do teu Inverno
Que te aquece a dormir
Eu quero as palavras,
Que me tocam e me dizem que sem mim não és feliz
Suave...
A tua voz tão suave
Porque?
Te arrancaram de mim, assim
Diz-me porque?
Se te esqueceste ou não de mim
Porque?
Não somos imortais
Porque?
Pergunto?
Não posso mais!
Eu não posso mais!
Guarda no teu peito a chama
Onde iras sempre ouvir
A voz de quem te ama
E que te quer sentir
Eu quero o teu corpo
Que me enche, me preenche e que eu só quero tocar
Suave...
A tua pele tão suave
Porque?
Te arrancaram de mim, assim
Diz-me porque?
Se te esqueceste ou não de mim
Porque?
Não somos imortais
Porque?
Pergunto?
Não posso mais!
Eu não posso mais!
Anjos

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Sentimentos

Sentimentos

Nada mais que sentimentos
Estou tentando esquecer os meus
Sentimentos de amor
Lágrimas
Estão rolando no meu rosto
E estou tentando esquecer os meus
Sentimentos de amor
Sentimentos
Que vou ter por toda a minha vida
Eu queria nunca ter te encontrado
Tu não voltarás jamais
Sentimentos
Queria te sentir novamente em meus braços
Sentimentos
Sentimentos, como te tivesse perdido
E sentimentos, como se nunca te tivesse
Novamente em meu coração
Sentimentos
Que terei por toda minha vida
Eu queria nunca ter te conhecido
Tu nunca mais voltarás
Sentimentos
Sentimentos, como se te tivesse perdido
Sentimentos, como se nunca te tivesse
Novamente em minha vida
Sentimentos
Oh, sentimentos novamente em meus braços
Sentimentos...


Morris Albert

sábado, 11 de abril de 2009

LEMBRANDO

Quando eu te conheci o teu caminho era cheio de pedras

E tu quase não conseguias andar
Apaixonei-me
E ofereci o meu ombro, o meu consolo e o meu amor
Tu então que não tinhas forças, nem para caminhar
Voltas-te a sorrir
Dizias sempre que eu era a tua alegria
A tua felicidade, tua paz
O tempo passou, as coisas mudaram
E tu também mudas-te
Mudas-te
Já não és a mulher carinhosa de antes
E também já não gostas dos meus carinhos
No teu caminho já não existem pedras
E tu já não precisas do meu ombro
Já não sofres, por isso não precisas mais do meu consolo
Eu que antes fui a tua alegria, tua paz, tua felicidade
Me transformei na tua tristeza
Agora sei que faço parte do teu passado
Mas concerteza vou estar no teu futuro
Pois da mesma maneira que passeias pelo meu sangue
Eu durmo na tua consciência
No fundo eu sou a verdade dos teus sentimentos
Pois só eu amo os teus defeitos tanto como as tuas virtudes
Amo-te
Amo-te realmente como és
E é por isso que eu vou estar sempre dentro de ti
Sempre
Por toda a vida
Francisco Cuoco

domingo, 22 de fevereiro de 2009


Os sonhos são apenas sonhos. A tentativa do material escondido no inconsciente de vir á tona e tornar-se consciente.

Vivo demasiado no país dos sonhos, e penso também demasiado.
Tudo na vida tem um fim e faz puff!
Eu no fundo sinto-me feliz! E só não sou mais porque tenho medo de cair novamente.... É verdade o medo apoderou-se de mim!
Não posso assumir nada que não existe. Não será certo para ele e muito menos para mim! Principalmente para mim. Mas quando é que isto passa? Terá valido a pena?! Não existe nada que acalme a minha dor, que acalme a minha angustia. Que se passa no meu coração, na minha alma? Que confusão na minha cabeça.
Se calhar o melhor é mesmo tirar um tempo para mim mesma...que começo de ano tão estranho... -->

sábado, 21 de fevereiro de 2009

PORQUÊ?




Quantas vezes terei de chorar? Quantas dores terei de sofrer? Esse é o preço que tenho que pagar por amar? Quantas vezes devo tentar? Quem merece outra chance? Qual de nós vai mudar? Já acreditei tantas vezes, mais hoje as duvidas atormentam-me. Meus joelhos sangram, ajoelhei-me inúmeras vezes para ti. Implorei que me notasses de verdade. Fiz de tudo para que o tempo voltasse, antes era tudo tão bom. Mais agora aonde vou apoiar-me? Eu perdi as esperanças. Esqueci-me de mim... E vivi para ti, para te ter. Eu mereço ter que passa por isso? Quantas vezes mais terei de me enganar? Em quantas mentiras mais irei acreditar? Tenho tanto medo das pessoas, elas fingem sentir, amar, sofrer... Elas enganam-me quando menos espero. Será que existe realmente alguém pra mim? Será que ainda existe amor de verdade. Tenho medo de passar por isso novamente. Cansei de esperar por ti, retornar do passado. E me tirar desse precipício. Não digas que me queres de volta, Apenas para me teres ali, pendurada numa parede. Quantas vezes terei que chorar assim... Porquê?

sábado, 5 de julho de 2008

5 ANOS...




Eu teria 1001 motivos para não escrever hoje. Poderia usar qualquer desculpa. Falta de tempo, ausência de inspiração, nenhuma vontade. E qualquer coisa que eu justifique seria uma meia-verdade, porque essas são desculpas que de fato são reais. Mas não justificam nada. Tenho trabalhado muito, dormido pouco e descansado nada.


Mas apesar dos outros 998 motivos que eu não saberia listar, já que os 1001 motivos são um número metafórico, existe um motivo acima de todos que me move até aqui, para espremer essas palavras meio perdidas, dos meus dedos cheios de unhas e cutículas.


E o meu motivo é um coração, que não é o meu, mas que eu quero que bata no mesmo compasso. Porque o amor tem dessas coisas.Tu, que eu amo desde que te descobri. Tu a quem eu dediquei um amor que nem sempre teve retorno, mas que sempre gostei de amar. Porque quando se ama não se espera nada. Um amor de verdade não precisa de nenhuma cobrança. O que alimenta o amor é o outro coração batendo junto. Porque coração que bate sozinho acaba gastando e perdendo força. Mas o alimento do meu coração foi a esperança de um dia ter o teu pleno e completo.


Porque o amor tem dessas coisas.Tu, que ao longo desses 5 anos, estiveste tão ausente, fisicamente, dos meus dias, mas muito presente nos meus pensamentos. E eu, como uma autista, criei esse mundo onde tu existias só para mim. E nesse mundo eu fui feliz, de um jeito muito particular. Mas as vezes a realidade me chamava de volta e eu acordava sozinha. Mas o meu amor me acompanhou e me manteve viva e lúcida, porque o amor tem dessas coisas.


Contigo eu conheci o prazer acima do prazer, da carne. Porque para muitos o prazer está no gozo. Para mim o prazer era ter teus olhos olhando meus olhos. Tua boca na minha boca. O calor do teu corpo aquecendo meu frio. Ter-te quando era possível tê-lo foi a minha forma de prazer. Pleno e completo.E foi contigo que eu conheci a luz e a escuridão. A melhor coisa entre todas e a pior delas, a mais dolorosa. Aquela coisa que deixou meu peito dilacerado e a minh'alma em pedaços.


Mas todos os dias eu soube me refazer, porque o amor tem dessas coisas. Não sei onde vai dar. A incerteza deu cabo da minha ilusão, a tua ausencia e a falta de considerãção que sempre demonstraste ter por mim arruinou a esperança de dias melhores.


Não sei o dia de amanhã, mas tambem não quero saber, estou cansada, demasiado cansada, tua não queres lutar pelo que dizes sentir, o teu orgulho esta acima de todas as coisas.


Tu é que sabes, se quiseres luta, senão fica onde estás e ñão mudes nada.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

VIDAS DIFICEIS


É uma coisa estranhíssima esta de gostar de ser chato, de fazer gala em andar tristonho ou mal-disposto, de dizer mal de tudo e culpar o mundo pela nossa tristeza. O tuga é um ser depressivo por natureza, prefere suspirar a respirar, andar de orelha murcha a levantar a cabeça, arrastar os pés a caminhar num compasso seguro.Por que é que nunca estamos contentes com o que temos? Depois de um Verão que parecia norueguês, eis que o Outono chegou poético, dourado pelos tapetes das folhas de plátanos em fins de semana cheios de sol e de luz que dão para grandes passeatas na praia e no campo, atrasam o inauguração das lareiras e nos fazem poupar uma massas nas contas de electricidade. Mas neste país de chatos e de queixosos, toda a gente reclama a chegada do Inverno. Eu também adoro estar fechada em casa a ouvir a música da chuva, mas bolas, por que é que não levantamos os braços e agradecemos a Deus ou a qualquer outra entidade divina que seja do nosso clube, este Inverno abençoado e luminoso? Porque nós, tugas da Silva, além de sermos uns grandessíssimos chatos, gostamos de ser chatos. É uma coisa estranhíssima esta de gostar de ser chato, de fazer gala em andar tristonho ou mal-disposto, de dizer mal de tudo e culpar o mundo pela nossa tristeza. O tuga é um ser depressivo por natureza, prefere suspirar a respirar, andar de orelha murcha a levantar a cabeça, arrastar os pés a caminhar num compasso seguro. Mas está no sangue do tuga, ou no ADN, ou onde vocês quiserem, faz parte da nossa cultura. Por isso é que eu gosto dos ribatejanos. Nisso, são os menos tugas de todos. O beirão é fechado, o portuense é rabugento, o alentejano é passivo e o algarvio é malandro. Mas o ribatejano é uma coisa que nenhum desse é, e que só o minhoto lhe chega aos calcanhares; o ribatejano é alegre. Canta o fado com alegria, dança o corridinho com energia, briga com o vizinho com mestria, toureia com galanteria, seduz com arte, embebeda-se com paixão e ama a Lezíria do fundo do coração. Conversa fiada, parece-vos, mas eu sei muito bem do que estou a falar e é por isso que, quando a cidade me enjoa, me meto no meu lindo Peugeot 307 azul-escuro e lá vou para o Ribatejo, olhar o rio e namorar as suas margens, subir à portas do sol e beber a vista a perder de vista, respirar a largueza e falar com eles. E sinto-me em casa, à mesa de uma tasca a beber tinto ou em casa de amigos, à lareira, a contar anedotas e peripécias. Cá fora, o frio corta a cara, o vento fala com as árvores, pássaros e coelhos malucos correm pela quinta, os cães ladram e como estamos no campo não passa nenhuma caravana nem se passa nada, que é a melhor forma de passar o tempo. As crianças pulam como cabritos, ao fundo passa um rebanho de ovelhas com o pastor e os seus cães, o riacho conversa comigo e eu conto-lhe segredos e o fim-de-semana é um paraíso de pão saloio, febras, castanhas assadas e bacalhauzadas no forno. Regresso domingo à noite com o sonho de um dia me instalar no campo, olhar pela janela e ver o verde a perder de vista, ouvir mochos e outros passarucos a embalarem-me o sono, imaginar as flores a crescer e as maçãs a cair das árvores e acordar com gotas de orvalho na cara, deixadas ao acaso por uma qualquer fada afoita e cumpridora. Enquanto houver sol e luz, não se queixem, meus tugas da Silva, metam-se no carro e vão para a praia falar com o mar ou para o campo, ver tios, primos e avós que nunca visitamos. Aproveitem este país delicioso e tranquilo, onde num raio de poucos quilómetros há praia, campo e montanha, praças seculares, igrejas espantosas e grutas de cortar a respiração, ruínas de cidades romanas, serras poéticas e planícies verdes e perfeitas. E não se queixem das vidas difíceis, que por aqui há muito sol e muito sossego, não estamos em guerra nem dominados por nenhuma corja taliban; isto é um paraíso, é preciso respirá-lo, aproveitá-lo explorá-lo e saboreá-lo até ao fim das nossas vidas.
Margarida Rebelo Pinto

segunda-feira, 23 de julho de 2007

ESPERA


O problema é que eu gosto de ti. Não tenho dúvidas que queria estar mais perto. Juntos viveríamos por mil anos. Por que o nosso mundo estaria completo

Estranho seria se eu não me apaixonasse por ti....

Hoje acordei com uma vontade enorme de mudar.... mudar, mudar e mudar... sempre achei que quando eu acordava assim coisas serias estavam por vir, sempre de alguma maneira eu fazia alguma coisa porque não estava feliz, lembrei-me disso bem cedo mais sei que no fundo quero mudar porque alguma coisa não esta bem....
Limpei o quarto, mudei a cama o sofá, a tv de lugar, arrumei o guarda roupa, e de repente me vi a mexer numa caixa que devia estar escrito "proibido mexer depois de tanto anos"...
Sabe, aquelas caixas onde a nós guardamos cartinhas de amor e juras eternas, promessas não cumpridas, eternos caso de amor, um amor que não foi para lugar nenhum??!!!!
Pois é, sem querer fui mexer naquelas coisas, poeira e mais poeira, passado e mais passado...
Comecei a ler a seguinte carta "Tu és a unica mulher que sempre amei e vou amar.." rsrsrs Será? ... lendo isso hoje percebi que a nós vivemos com tanta intensidade certas idades da vida que não percebemos o quanto podemos estar enganandos .... acredito que ele me amava, mais até a ser a unica mulher da vida dele!!! ........ perguntei-me se eu o amei??
Mas o que mais fiquei encantada é com tudo que ficou de um sentimento que não existe mais, de um coração que nem partido ficou com o fim, cheguei a pensar e questionar o porque de tanto tempo juntos se hoje nem saudade restou.... hoje eu tenho certeza que aquilo não foi nem de perto o que eu acho que é o amor!!!
Mais foi bom relembrar que um dia alguém me amou com tudo que pode, acreditou no amor que sentia e lutou por mim , mas foi triste lembrar que tudo passou e que nada restou!!!
Coloquei tudo na caixa , todas as cartas, aproveitei e coloquei as fotografias tbm, e guardei bem no fundo da gaveta onde um dia eu olhe de novo e lembre mais uma vez desse amor que eu nem sei se amei!!!
Guardei segredos , promessas, juras e medos, guardei o passado, as mentiras , a insegurança, de tudo aquilo que vivi, porque hoje eu resolvi deixar para tras tudo aquilo que acho, pra deixar bem dentro de mim tudo aquilo que tenho certeza...
Depois que guardei, olhei-me no espelho e percebi que a aquela menina carente e cheia de medos continuava ali, tremendo , com medo do futuro, insegura com esse amor novo que esta brotando dentro do peito, porque nesse ela acredita.
Acredita tanto que se borra de medo dele, mais quando tudo estava no lugar dentro do quarto eu sai da frente do espelho e descobri que dentro de mim esta tudo fora do lugar, tem gente certa no lugar errado e gente errada no lugar certo... fiquei confusa mais do que ja sou acho que estou a aprender com alguém !!!
Perguntei se deveria continuar, fiquei na duvida, mais como sou teimosa, costumo sempre ouvir uma vozinha que vem de dentro do coração que vive atualmente com puff e sabe o que ela me dizia....
" Vale a pena sim, enquanto existir amor vale a pena continuar, so não vale mais quando ele precisar esconder de ti o que sente e desmentir o que vive....."
Então foi assim que resolvi continuar a minha limpeza, tirei de dentro de mim duvidas e deixei apenas uma certeza se for para ser vai ser, então deixo-te livre assim como sou livre faz que achares que deves, vai para onde achares melhor , volta apenas se tiveres a certeza que tens capacidade para me amar, sê livre sempre porque aquilo que amo não costumo prender simplesmente gosto de cultivar o respeito dentro do coração, deixo livre porque sou livre e gosto de amar assim....vai mais deixa aqui comigo a certeza de que vale a pena esperar por ti...."!

terça-feira, 3 de julho de 2007

SABEDORIA


Meu coração e minha língua fizeram um trato:
quando meu coração estiver enfurecido,
minha língua guardará silêncio. As palavras respondem aos sentimentos,
e os sentimentos às idéias.

Por isso é impossível dominar nossas palavras
se não somos senhores de nossos sentimentos;
e estes sentimentos irão se acalmando
segundo a força de nossas idéias. A um coração que não se domina,
responderão palavras violentas e ferinas;
a um coração fechado em si,
sucederão palavras e atitudes que
depreciam os demais. Por conseguinte, me calarei quando meu coração
não estiver sossegado e em calma; não falarei,
pois seguramente me arrependerei do que disser ou,
pelo menos, do modo como o disser,
ou do momento em que o disser. Se em geral o coração não costuma ser bom conselheiro,
menos o será quando não estiver em paz e
não se sentir senhor de si mesmo.



Tempo de Germinar

sexta-feira, 15 de junho de 2007

MENTIRAS SINCERAS


" Mesmo sabendo que está acabando eu ainda espero que tu chegues, mesmo sabendo que não dá mais eu ainda insisto em um até breve.
Eu fico aqui perdida entre os porquês da nossa vida, esperando ver-te chegar e dizer agora sim vim pra ficar.
Mas tu passas,sentes-me , amas-me , olhas-me nos olhos sem promessa nenhuma, tu pegas-me no colo, mimas-me, tens-me, fazes da menina uma grande mulher e ao mesmo tempo uma menina de novo.
São essas promessas que eu desejo que tu não me dás, são essas vontades de dentro que eu perco tempo a esperar, foi a ultima chance que dei pra nós, foi o ultimo momento que achei que seria dessa vez, e não foi, não chegou o tal momento, não foi agora e nem será talvez.
Vai ficar agora o teu cheiro na minha cama, a tua voz sussurrando palavras pequenas ao meu ouvido, vai ficar o meu pedido mudo olhando-te nos olhos, pedindo pra tu ficares pra sempre, mas tu sempre vais embora pra buscar alguma coisa que eu ainda não tenho.
Tu deitas-te do meu lado e dizes-me que tens medo, tens medo por mim, ou será por ti? Tu tens medo de me perder ou de me avisar que eu já te perdi.
Queres saber? Aqui dentro hoje, tem uma coisinha triste, tem um segredo cutucando, machucando, tem a certeza de que agora acabou de verdade, vai ficar amizade sim, do jeito que tu desejas, mas eu vou deixar de ser tão tua .
Porque de repente eu deixei de ser tão tua, porque tu deixas-te de ser tão meu.
Não tinhas que ser de outra, não tinhas que ter amado outra, apenas eu.
Eu tenho que dizer adeus, e todos os dias fico em frente ao espelho ensaiando a mesma frase, dizendo adeus e gritando em silencio que desta vez é de verdade, mas nunca é...
Eu queria saber o que sinto dentro do peito, se é tanto amor assim porque não agora?
Eu tentei esconder de mim propria, mas quando estamos bêbados falamos coisas que não devemos, ficamos a saber de coisas que não queremos, enquanto não temos a certeza é mais fácil, quando sabemos, dói.
Porque tu ficaste em silencio, quando podias ao menos desta vez ter mentido, juro que essa mentira, ia fazer muito bem ao meu coração.
A... agora eu rezo todos os dias pra esquecer o que custei a ter certeza, pra esquecer a certeza que tu me deste, agora eu rezo, para um anjo chegar me levar embora, pra longe, pra eu não ficar, eu já aprendi a amar, agora preciso que alguém me ame tbm.... "




Texto retirado do blog "Mentiras sinceras"

quinta-feira, 7 de junho de 2007

FLORES DE PAPEL


"Cheguei a casa com as tuas flores de papel presas no coração. Escolhi uma jarra antiga, e plantei-as na sala onde descanso, sonho e trabalho. As tuas flores são enormes, generosas, simpáticas e guardam o teu perfume. Sempre que passo por elas, o teu cheiro entra pelo meu corpo e enche-me de bem estar. É sempre cheia de bem estar que me sinto quando penso em ti, na tua alegria, generosidade e beleza, mesmo que o nosso amor seja feito de papel como estas flores.Não precisamos de o regar todos os dias, nem de adubos, nem cortar os caules. Nem sequer precisamos de água, o nosso amor é quase imaterial, tu aí e eu aqui.

Quando te vejo, o meu amor desenhado no papel torna-se real, ganha vida, cor, textura e cheiro e somos só um na mesma casa, siameses a passear na rua, gémeos a conversar, namorados a dormir. A nossa vida enche-se com a do outro e tudo o que desejamos é que o outro esteja tão feliz como nós. Depois, quando me separo, já não choro. Sei que o que pode acontecer é um mistério da existência e quanto menos planear, mais sorte vou ter. Demoro alguns dias a descer à terra, vou ao supermercado e encho o frigorífico para disfarçar o vazio no coração e escrevo muito, porque enquanto escrevo é como se aqui estivesses ao meu lado, gémeos a dormir e namorados a conversar, a lareira acesa e a paz de uma continuidade sonhada, porém possível.

É um amor de papel, frágil e opaco, leve e branco, feito de ideias, de sonhos, de esperança e de muitas cores. Um amor sem planos nem projectos, quase adolescente, intenso, puro e perfeito, que não precisa de provas nem palavras.O amor é um acto de fé, uma manifestação de esperança. É como plantar uma semente. Por isso, a última vez que te fui visitar, também trouxe uma caixa de bolbos para plantar no meu jardim. Estou atrasada porque o Inverno já começou, mas pode ser que tenha sorte e na Primavera a minha entrada em casa seja um festival de cores e aromas. Algumas flores vão morrer, outras vão ser mais pequenas, mas sei que as mais fortes vão vencer o frio e germinar com grande beleza e generosidade. E sei também que por esses dias te vou ver por aqui, a ensinar-me a cuidar delas, tu que cuidas do meu coração melhor do que ninguém e nem sequer sabes.O nosso amor é de papel, como as flores que me deste e no papel há-de ficar, para sempre escrito nas minhas palavras. E se um dia se transformar em qualquer outra coisa, será sempre numa outra forma de amor, porque o papel vem das árvores, mas o amor vem do amor e nunca morre, mesmo depois de cortado, prensado e transformado, porque amor é como plantar um semente e tu já plantaste a tua no meu coração. "




Margarida Pinto Correia

quinta-feira, 17 de maio de 2007

UM CASO DE AMOR...

"Depois de 21 anos de casado, descobri uma nova maneira de manter viva a chama do amor.
Há pouco tempo decidi sair com outra mulher. Na realidade foi idéia da minha esposa.

- Você sabe que a ama - disse-me minha esposa um dia, pegando-me de surpresa.
A vida é muito curta, você deve dedicar especial tempo a essa mulher...

- Mas, eu te amo - protestei à minha mulher.

- Eu sei. Mas, você também a ama. Tenho certeza disto.

A outra mulher, a quem minha esposa queria que eu visitasse, era minha mãe, que era já viúva há 19 anos, mas as exigências do meu trabalho e de meus 3 filhos, faziam com que eu a visitasse ocasionalmente. Essa noite a convidei para jantar e ir ao cinema.

- O que é que você tem? Você está bem? perguntou-me ela, após o convite.

Minha mãe é o tipo de mulher que acredita que uma chamada tarde da noite, ou um convite surpresa é indício de más notícias.

- Pensei que seria agradável passar algum tempo contigo - respondi a ela - Só nós dois; o que acha?

Ela refletiu por um momento.

- Me agradaria muitíssimo - disse ela sorrindo.

Depois de alguns dias, estava dirigindo para pegá-la depois do trabalho, estava um tanto nervoso, era o nervosismo que antecede a um primeiro encontro... e, que coisa interessante, pude notar que ela também estava muito emocionada.

Me esperava na porta com seu casaco, havia feito um penteado e usava o vestido com que celebrou seu último aniversário de bodas. Seu rosto sorria e irradiava luz como um anjo.

- Eu disse a minhas amigas que ia sair com você, e ficaram muito impressionadas. Comentou enquanto subia no carro - Elas nem podem esperar para escutar a respeito de nosso passeio. Me aguardam amanhã.

Fomos a um restaurante não muito elegante, mas, sim, aconchegante, minha mãe se agarrou ao meu braço como se fosse 'a primeira dama'. Quando nos sentamos, tive que ler para ela o menu. Seus olhos só enxergavam grandes figuras. Quando estava pela metade das entradas, levantei os olhos; mamãe estava sentada do outro lado da mesa, e me olhava fixamente. Um sorriso nostálgico se delineava nos seus lábios.

- Era eu quem lia o menu quando você era pequeno - disse-me.

- Então é hora de relaxar e me permitir devolver o favor - respondi.

Durante o jantar tivemos uma agradável conversa; nada extraordinário, só colocando em dia a vida um para o outro. Falamos tanto que perdemos o horário do cinema.

- Sairei contigo outra vez, mas, só se me deixares fazer o convite - disse minha mãe quando a levei para casa.

Concordei.

- Como foi teu encontro? - quis saber minha esposa quando cheguei aquela noite. - Muito agradável... muito mais do que imaginei...

Dias mais tarde minha mãe faleceu de um enfarte fulminante, tudo foi tão rápido, não pude fazer nada. Depois de algum tempo recebi um envelope com cópia de um cheque do restaurante de onde havíamos jantado minha mãe e eu, e uma nota que dizia:

- O jantar que tivemos paguei antecipado, estava quase certa de que poderia não estar ali, por isso paguei um jantar para ti e para tua esposa. Jamais poderás entender o que aquela noite significou para mim. Te amo.

Nesse momento compreendi a importância de dizer a tempo:

'TE AMO' e de dar a nossos entes queridos o espaço que merecem; nada na vida será mais importante que a tua família, dedique tempo a eles porque eles não podem esperar.

Se você entendeu o recado... não espere mais, faça o que é possível nesse momento, ligue e diga, Eu te amo, com toda a certeza, é tudo que queria ouvir... de você!

O seu coração vai ficar feliz... e te agradecer com paz interior."

(Desconheço a autoria)

domingo, 13 de maio de 2007

SE EU FOSSE....

Faço uma pausa no marasmo em que tenho andado apenas porque a chata da Cristalzinho me desafiou para responder a uma data de questões, por ti maninha e porque te adoro, aqui vai:

Se fosse uma hora do dia, seria... qualquer uma em que esteja em boa companhia
Se fosse um astro, seria... saturno (adoro aneis!)
Se fosse uma direcção, seria... o Norte (não consigo encontra-lo!)
Se fosse um móvel, seria... um maple (conhecem coisa melhor depois dum dia cansativo?)
Se fosse um líquido, seria... Champanhe (adoro brindes)
Se fosse um pecado, seria... o pecado da gula (adoro comer)

Se fosse uma pedra, seria... um diamante (que mal há em sonhar?)
Se fosse uma árvore, seria... um cedro (alto e robusto)
Se fosse uma fruta, seria... um morango (vemelho e doce)
Se fosse um clima, seria... tropical (com gosto de mar)
Se fosse um instrumento musical, seria... uma flauta (transmite paz)
Se fosse um elemento, seria... o fogo

Se fosse uma cor, seria... o azul (cor do infinito)
Se fosse um animal, seria... um cachorro (capaz de amar mesmo quem o trata mal)
Se fosse um som, seria... o do mar (é a música mais bela que o universo criou)
Se fosse uma música, seria... qualquer uma que transmita paz
Se fosse estilo musical, seria... Valsa
Se fosse sentimento, seria... Amor

Se fosse um livro, seria... As palavras que nunca te direi (lindo)
Se fosse uma comida, seria... marisco (hummmmmmmm)
Se fosse um lugar, seria... uma ilha
Se fosse um gosto, seria... chocolate
Se fosse um cheiro, seria... alfazema
Se fosse uma palavra, seria... amor

Se fosse um verbo, seria... amar
Se fosse um objecto, seria... uma porta (para poder bater na cara de algumas pessoas)
Se fosse uma parte do corpo, seria... os olhos (porque nunca mentem!)
Se fosse expressão facial, seria... o sorriso
Se fosse uma personagem dos desenhos animados, seria... a sininho
Se fosse filme, seria... Ghost, o espirito do amor

Se fosse forma, seria... um qualquer
Se fosse número, seria... 5
Se fosse estação, seria... Primavera (tudo se enche de cor e vida)
Se fosse frase, seria... Deus dá os maiores desafios a quem tem firmeza de caracter!


Já está, não passo a bola a ninguem porque tenho estado ausente e não me sinto no direito de desafiar ninguem.

sexta-feira, 30 de março de 2007

APENAS EU

Estou tão sozinha…
É como se houvesse um vazio…
Um buraco...
Sinto-me distante…
Como se cada palavra dita por qualquer pessoa…
Em qualquer lugar tivesse eco no meu subconsciente!
Sinto-me a morrer por dentro…
Como se cada segundo tornasse inútil a minha existência...
Sinto-me mal em qualquer sítio…
Como se me faltasse algo...
Parece que eu estou presa…
No vago que separa a luz das trevas…
A vida da morte…
O amor do ódio...
Sinto-me totalmente dividida…
Como um cristal que se partiu em mil pedaços…
E nunca mais será o mesmo...
Tudo isto porque em sonhos és meu…
E na realidade não te tenho…

Sinto-me só sem ti…
Sinto um vazio enorme dentro de mim!
Por isso…
Me tornei naquilo que sou hoje…

APENAS EU...

quarta-feira, 28 de março de 2007

AMIGA VIRTUAL


Amiga virtual é aquela que se quer e que nos quer bem.

Amiga a qual nos acostumamos.

Amiga que imaginamos os olhos,o sorriso, o perfume, o corpo,a cor dos cabelos,o tom da voz!!!Amiga que sentimos muita vontade de conhecer pessoalmente.

Amiga a quem desejamos dar e receber um abraço.

Amiga que queremos ver sorrir a todo instante!!!

Amiga a quem desejamos sucesso em todos os eventos e momentos de sua vida.

Amiga a qual desejamos que encontre a felicidade pelos caminhos que percorrer.

Amiga que procuramos encontrar através dos e-mails recebidos,porque sabemos que com eles sempre chegam palavras de carinho,de apoio, de incentivo, de força,de conforto.

Ao abrir as mensagens, sentimoso calor humano, o calor morno,suave nos tocando, e quantas vezes dei por mim rindo, chorando,ao ler seus e-mails, suas piadas,seus poemas,seus textos.

Deus tem me abençoando!!!

Minha sensibilidade anda à flor da pele,

Por isso senti necessidade de escrever para ti, não trancando em meu peito essa vontade que neste momento e,em pensamento te olhar nos olhos dizendo:

Obrigada, por existires na MINHA VIDA!!!



Dedico este texto a minha amiga virtual CI, por ter estado presente em alguns momentos menos bons da minha vida, sempre com palavras de apoio e incentivo. OBRIGADA CI

quinta-feira, 22 de março de 2007

SOLIDÃO


Noites e noites em vão...

Procuro-te, espero-te e tu não vens...

Quero compreender, tento entender

Meu coração não consegue seguir a razão

A distância e as barreiras são enormes

Tento esquecer, mas não consigo

O que fazer com este coração que é só teu


O que dizer à lua se o sol já está nascendo?

Que tenho a certeza deste amor que é teu!

Relembro o teu olhar

Recordo-me do teu sorriso

A tristeza me invade e com ela as lágrimas

que escorrem e percorrem na minha face

Lágrimas geladas, tal qual a solidão que acompanha a minha alma


Resta-me a esperança de tê-la ao meu lado

A fé em vencer esta solidão e tê-la repousando livre,

tranquila e serena em meus braços

E pela eternidade tê-la para mim por completo

Esquecendo as palavras saudade e SOLIDÃO

quinta-feira, 15 de março de 2007

O QUE SIGNIFICARÁ SER UM VERDADEIRO MACHO?


"Nos meus 44 anos já tive duas formas diferentes de encarar a mulher. A primeira foi-me ensinada por uma mãe influente, disciplinadora mas consciente do poder da sua opinião. Ela dizia repetidas vezes: "Filho, faz o que quiseres com elas, mas nunca tragas nenhuma grávida para casa!". A instrução apesar de curta parecia clara. Apenas tinha de evitar as gravidezes. Nada me ensinou a respeito de sentimentos, amor, perdão, cumplicidade, dedicação, luta por um ideal comum, verdade, lealdade, fidelidade e outras tantas "dades" que mais tarde vim a descobrir serem de tanta importância, eu diria essenciais para quem anseia uma vida feliz quando compartilhada com outro. "

"Por mim próprio descobri que apesar da maior parte das mulheres não se importarem ou, melhor dizendo, tolerarem alguns dos meus comportamentos estupidamente "machistas", eu sabia que algo estava errado. A sensação de "vazio" que ficava após relações relâmpago, o nojo que senti tantas vezes por beijar mulheres das quais nem conhecia o nome, o absurdo de pensar secretamente: "mais uma...", a leveza que sentia quando, apesar de tudo, conseguia ter uma conversa com pés e cabeça com uma mulher e cujo final não era mais uma vez a cama. Essas e muitas outras sensações me fizeram meditar sobre o verdadeiro rumo que eu queria dar à minha vida de "macho". "

"Descobri, quase da noite para o dia, que encontrava mais prazer, quando conversava com o sexo "fraco" sobre assuntos de interesse comum. Descobri que chorar e mostrar sentimentos como a compaixão, o carinho, a empatia, afinal não são uma prerrogativa apenas feminina. Percebi que mesmo quando me mostrava sensível não me tornava maricas! Grande descoberta!... "

"Depois dos 21 anos compreendi o que era um verdadeiro macho. Ao observar a natureza aprendemos muito a respeito do que significa ser macho. Na maior parte dos casos o macho proteje, o macho garante o equilíbrio familiar, por vezes demonstra uma total submissão à fêmea, que o diga o macho da aranha viúva negra..."

"Não querendo alongar-me, permite-me apenas concluir que para mim o VERDADEIRO MACHO é aquele que sabe reconhecer o extraordinário potencial contido na pessoa feminina, é aquele que tudo faz para ajudá-la a desenvolver esse mesmo potencial, é aquele que sabe valorizar a condição feminina da mulher sendo o suficientemente humilde para reconhecer que a mulher possui um manancial de doçura, de coragem, de abnegação, de altruísmo, de capacidade de amar, de conhecimento do perdão que as engrandece e emprestam, a quem as valoriza, uma luz e uma felicidade adicionais sem as quais não é possível atingir a plenitude do gozo pela vida."

Como VERDADEIRO MACHO que me considero deixa-me dizer, ou antes gritar:

"Viva a mulher! O ser mais nobre que pisa este planeta, de longe o mais belo, de longe o mais completo"

(texto retirado da net)

segunda-feira, 12 de março de 2007

DESISTO


Cansei-me de esperar...
Quanta ansiedade… o estômago apertado, as pernas que tremem… para quê?
No final, não foste, não és e nunca serás o que quer que seja na minha vida…
Cansei-me de sonhar…
Só eu não quis ver que nada vai mudar, que não dás mais porque não sabes… e que nunca saberás…
Cansei-me de te amar…
O que fazes é pouco… muito pouco… e eu sei que não pedi demais… Pedi o mínimo, e nem isso és capaz de dar…
Não faz sentido querer que mudes… não sabes mudar.
A minha vida está amarrada a ti há tempo demais…
Não quero, não sei e não vou dar-me mais… cansei…

terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

AS DORES DO AMOR


Por Martha Medeiros
Existem duas dores de amor. A primeira é quando a relação termina e a gente, continuando a amar, tem que se habituar com a ausência do outro, com a falta de perspectiva, ainda estamos tão envolvidos que não conseguimos ver luz no fundo do túnel.

A segunda dor é quando começamos a ver a luz no fim do túnel. Deve achar que eu bebi. Se estamos a ver a luz, adeus dor, não seria assim? Mais ou menos. Há, como falei, duas dores. A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços, a dor de quando deixamos de ser importantes para o ser amado. Mas quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida: a dor de abandonar o amor que sentíamos. A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre, sem sentimento especial por ninguém. Dói também.

Na verdade, ficamos presos ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou. Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém. É que, sem se darem conta, não querem se desprender. Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se uma recordação de uma época bonita que foi vivida, passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação com a qual a gente se apega. Faz parte de nós. Queremos, logicamente, voltar a ser alegres e disponíveis, mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo, que de certa maneira se entranhou em nós e que só com muito esforço é possível libertar. É uma dor mais amena, quase imperceptível. Talvez, por isso, costuma durar mais do que a dor-de-cotovelo propriamente dita.

É uma dor que nos confunde. Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra. A pessoa que nos deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos, que nos colocava dentro das estatísticas: eu amo, logo existo. Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro de nós.

E só então se poderá amar, de novo!!!

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

CREME NÌVEA


Eu gosto do Verão, acreditem, o Verão é giro; uma pessoa morre de calor no trânsito, anda sempre com sono e cansada, toda a gente está sempre a ir ou a chegar de férias, anda tudo com boa cara, vai-se muito à praia e sai-se mais à noite. O pior é o resto. É que o calor torra os miolos, refoga os neurónios e frita a lucidez. Com o calor vem a estupidez natural que durante o Inverno viveu hibernada na cabeça da rapaziada.


Eu explico: imagine a Luísa, sua vizinha do quinto direito a cruzar-se consigo à entrada do prédio num fim de tarde de Inverno: ela vem branca, desgrenhada, com o rímel esborratado, uma gabardine pingona, um guarda-chuva que lhe molha os seus mocassins e uma camisola de lã quase pelo joelhos que a transforma num saco de batatas mal cheio. São sete da tarde, mas já é noite, vocês apanharam as duas imenso trânsito, está um frio de rachar e só apetece chegar a casa, pegar numa mantinha e vegetar em frente à televisão.

- Adeus Luísa, até qualquer dia e não se pensa mais no assunto.

Mas no Verão você cruza-se com a mesma Luísa num tarde encalorada de Julho à entrada do prédio. A Luísa entra de calções, chinélos, uma T-shirt que lhe marca o peito e a cintura, o cabelo mais claro, a pele luminosa do bronze e pior do que tudo isto, com um bocadinho de areia no pescoço e nos tornozelos que lhe dá um toque divinal. Se você tiver mesmo com azar – ou com sorte – atrás da Luísa aparecem, quais cogumelos, duas amigas tão ou mais giras do que ela, com características semelhantes.

As Luísas são uma praga sazonal. Elas estão em toda a parte, saltam-nos para debaixo dos pneus nas passadeiras, atravessam-se nas cadeiras do cinema, cruzam-se na escadas dos centros comerciais, sentam-se ao nosso lado nos restaurantes e os nossos homens ficam desorientados. E o pior é que o mundo está apinhado de Luísas de todos os tamanhos e nacionalidades, o que os deixa ainda mais confusos. Apetece-lhes logo praticar o inglês e outras línguas, mostrar às Luísas o charme da Torre de Belém e a beleza da serra de Sintra. Compram-lhes queijadas e, quem sabe, uma toalha de Viana que fica lindamente na mesa de aparite que ela tem lá no apartamento dela.

As Luísas são seres estupidamente felizes que conseguem estar sempre a rir e mostrar pouca inteligência. Adoram dançar até às tantas e metem-se nos copos com grande facilidade. Fumam que nem uma chaminé e estão sempre a perder isqueiros, o que faz com que se aproximem deles para pedir lume com rapidez e avontade.

As Luísas são uma praga para nós, raparigas absolutamente normais que nem sequer olhamos para os Luíses se o nosso coração está ocupado, porque os homens, ao contrário das mulheres, gerem os afectos de forma, digamos assim, mais democrática. Ou seja, a presença puramente acidental de uma Luísa pode trazer-lhe prazer, estímulo e alguma cor à existência sem esquecer da condição mais ou menos vitalícia da namorada.

O que fazer?

Eu tenho uma teoria: O Creme Nívea não é o creme mais antigo do mundo? Não é um clássico? E não continua na moda?

Então esta é a solução: há que ter uma postura Creme Nívea, encolher os ombros à concorrência e pensar, eu já cá estava, antes e depois das modas, eu sou o Creme Nívea da vida dele e hei-de continuar a ser.

Espalhe-o bem e sorria


(texto retirado da net)

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

HORA DA RENOVAÇÃO


"Não importa onde tu paraste, em que momento da vida te cansaste. Recomeçar é dar uma nova chance a ti mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante, acreditar em ti de novo.

Sofreste muito neste período? Foi aprendizado. Choraste muito? Foi limpeza da alma.

Ficaste com raiva das pessoas? Foi para perdoa-las um dia.

Sentiste-te só por diversas vezes? É porque fechaste a porta até para os anjos. Acreditas-te que tudo estava perdido?

Era o início da tua melhora.

Pois é... agora é hora de reiniciar, de pensar na luz, de encontrar prazer nas coisas simples de novo.

Um corte de cabelo arrojado, diferente?

Um novo curso, ou aquele velho desejo de aprender: pintar, desenhar, dominar o computador, ou qualquer outra coisa. Olha quantos desafios, quanta coisa nova, neste mundão de Deus te esperando.

Estás te sentindo só? Parvoice...

Tem tanta gente que tu afastas-te com o teu "período de isolamento".

Tem tanta gente esperando, apenas um sorriso teu, para "chegar" perto de ti.

Quando nos fechamos na tristeza, nem nós mesmo nos suportamos, ficamos horríveis, o mau humor vai comendo nosso figado, até a boca fica amarga.

Recomeçar...

Hoje é um bom dia para começar novos desafios.

Onde queres chegar? Ir alto, sonha alto. Queira o melhor. Queira coisas boas da vida.

Pensando assim trazemos para nós, aquilo que desejamos...

É hoje o dia da limpeza mental. deita fora tudo que te prende ao passado, ao mundo de coisas tristes: fotos, peças de roupa, bilhetes de cinema, bilhetes de viagens, e todo aquele lixo que guardamos quando nos julgamos apaixonados...

DEITA TUDO FORA

Esvazia o teu coração, fica pronto para um novo amor!

Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura."



( texto tirado de um email que me enviaram )


sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

ADEUS VANDA


"Perder um amigo sempre é difícil, principalmente quando temos a certeza de que nunca mais o veremos. Não porque se mudou de cidade, de país, ou porque discutimos, mas simplesmente porque subitamente partiu, deixando-nos órfãos da sua presença, da sua alegria contagiante, da sua amizade... Lidar com a morte parece ser ainda o maior dos desafios. Por mais que saibamos ser essa a única certeza nas nossas vidas, não aprendemos como superar a dor de perder alguém para sempre. De repente somos privados da sua existência e sentimos-nos extremamente frágeis, humanos, mortais. No sábado passado uma pessoa muito querida se foi. Vanda era o nome dela. A notícia de sua morte, após sofrer um trágico acidente de carro, mexeu demasiado comigo e creio que com muitos corações também. Até este momento uma pergunta ecoa na minha cabeça: Por que? Por que tão cedo, tão jovem? Gostaria muito de ter todas as respostas, para que assim pudesse consolar toda a gente, inclusive a mim mesma. Para os que a conheciam ficou a imensa saudade, as recordações dos momentos partilhados na sua companhia, sempre tão alegre, amiga, tranqüila na sua maneira de ser, que amava a vida e o que ela tinha a oferecer. Vanda, este texto é dedicado a ti. "Com alegria recebeste a vida, com amor a entregas-te, na certeza de que não será destruída, mas transformada. Um dia nos veremos de novo... Enquanto esse dia não chega, tu que muito amamos e te foste, nos vês, nos ouves e oras por nós junto ao Pai. Como a vida é uma só, a nossa vez também chegará, e quando isso acontecer, não haverá mais lágrimas. As que aqui foram choradas, terão a sua explicação. A tua ausência deixou-nos um grande vazio, mas deixou também nos nossos corações, lembranças vivas que jamais se apagarão."
Queridos amigos, esta minha amiga tinha casado há15dias pelo registo e ia casar em Março pela igreja, como se isto tudo não bastasse, estava gravida.
Ontem desceu a Terra acompanhada pelo homem que tanto amou (que também perdeu a vida neste acidente).
Podem achar esta conversa demasiado morbida, mas apenas serve para vos pedir: Por favor tenham muito cuidado quando andam na estrada, a vida é demasiado valiosa para se perder desta forma.
Fiquem com DEUS

domingo, 21 de janeiro de 2007

HOMENAGEM


"Ontem, quando a tarde se desenrolava ainda da bruma sombria da manhã, ei-la que veio. Como quase sempre vem, especialmente quando sabe que não a esperam. Sorrateira, pé ante pé, traiçoeira e esquiva. Como na manhã em que, finalmente, irá regressar o nosso senhor, el-rei D. Sebastião, chegou e partiu envolta no manto de nevoeiro, sem que ninguém desse por ela. "
"Visíveis, apenas os resultados dolorosos, trágicos, irreversíveis."

"E hoje, na tua adquirida tranquilidade, marejaste de lágrimas os olhos amigos de quem te acompanhou. Desceste à terra repousada, sem dor e sem sofrimento. Aqueles que te sobraram pela vida fora. Nada será como dantes, mas a tua memória fará com que tudo continue a ser como dantes. Mais do que ninguém, tu o mereces. Adeus amiga, até sempre!"





(em memória da minha querida colega e amiga Vanda, que tragicamente perdeu a vida aos 24anos)


vive o dia de hoje, o amanhã pode não chegar

sábado, 20 de janeiro de 2007

CONTO

O Príncipe Encantado encontra-se com a Branca de Neve e pergunta-lhe:
- "Quer casar comigo?"
- "Claro, majestade", responde a amiguinha dos Sete Anões.
Então o Príncipe Encantado tira o seu membro para fora e pergunta-lhe:
- " Você sabe o que é isto?"
- "Seu belo pênis, meu Príncipe", responde ela.
Desolado, o Príncipe Encantado continua a procura:
- "Vou embora. Preciso de uma mulher inocente".
O Príncipe Encantado vai então à casa da Gata Borralheira e pergunta-lhe:
- "Quer casar comigo?"
- "Claro que sim", responde a bela enteada.
O Príncipe Encantado faz a mesma coisa feita com Branca de Neve, mostrando-lhe o membro:
- "Você sabe o que é isto?"
- "Seu pênis viril, meu Príncipe", responde ela.
- "Vou embora. Exijo uma mulher casta para minha esposa.", reclama o Príncipe.
Então o Príncipe Encantado encontra com Chapeuzinho Vermelho ( uma bela moçoila, recém saída da adolescência ) na floresta e pergunta-lhe:
- "Quer casar comigo?"
- "Claro, sua Alteza", responde a mocinha,
Então o Príncipe Encantado repete o ritual e pergunta-lhe, tirando o pênis para fora:
- "O que é isso que trago aqui", pergunta à Chapeuzinho Vermelho.
- "Isso é uma minhoquinha, meu Príncipe", responde ela.
Maravilhado com a cândida e inocente Chapeuzinho Vermelho o Príncipe Encantado casa-se com ela. Na noite de núpcias o Príncipe fala para Chapeuzinho:
- " Isto que trago aqui é um pênis, meu amor"
Ao que ela retruca:
- " Não, meu belo Príncipe. Isso é uma minhoquinha. Pênis era o do Lobo Mau..."


( já volto vou passear com o lobo mau)
hihihihihihihihih

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

SONHAR

Ultimamente sinto que me tenho procurado no lugar errado, não dentro de mim mesma, mas nos olhos dos outros ou, mais particularmente, nos olhos de alguém que procuro a cada dia, alguém que me saiba amar. Infelizmente, pareço apaixonar-me sempre pela pessoa errada ou então no momento errado. Se parte da vida é acaso, então tenho um forte pressentimento de que tenho tentado, em vão, bater-me contra o destino.
Hoje proponho-me responder a uma pergunta que um dia me puseram e que vem soando na minha cabeça nos últimos tempos, exigindo uma séria reflexão. Quem sou eu e o que quero realmente?
Parecem perguntas pequenas, fáceis de responder, mas a sua complexidade por vezes ultrapassa-me... assim como o tempo passa, também os meus sonhos mudam, também os meus objectivos de vida se expandem e amadurecem, mas, assim como os ponteiros do relógio repetem sempre as mesmas horas dia após dia, há também coisas em mim que permanecerão sempre constantes. Perceber isso finalmente foi descobrir o começo da minha resposta a uma pergunta que me ocupará toda a vida, tenho a certeza.
Eu sou, simplesmente, eu, uma pessoa cheia de sonhos e ideais como tantas outras. Adoro perder-me por entre as páginas de um livro e adoro escrever, seja em poesia ou em prosa. Adoro acordar de manhã ao som do suave arranhar na porta produzido pelas patinhas felpudas das minhas duas cadelas. Adoro abrir as persianas e ver o sol a brilhar, radiante, pintado no azul forte de um céu sem núvens. Adoro o quente do cobertor quando a chuva bate, impiedosa, na janela, nos dias frios de Inverno. Adoro sentir o toque do mar no Verão e o cheiro a maresia. Adoro sentir a chuva no rosto. Adoro música calma e romântica, mas, quando estou em baixo, nada como algo mais mexido para espantar a tristeza. Adoro sair com os meus amigos à noite, especialmente se for para ir ao cinema. Adoro partilhar uma gargalhada ou um sorriso com alguém especial. Adoro piqueniques. Adoro escrever à noite, deitada na minha cama, à luz do candeeiro quando a casa já dorme. Adoro olhar a lua e as estrelas quando a noite cai. Adoro observar as luzes da cidade debruçada na minha janela. Adoro sonhar com viagens que nunca farei a lugares que nunca vi, embora me fascinem. Adoro passar férias em família na praia. Adoro visitar os meus blogs preferidos e mergulhar nos textos e nas vidas de quem nunca conheci ou mesmo vou conhecer. Adoro uma brisa fresca num dia quente de Verão. Adoro ver o nascer e o pôr-do-sol e acho o arco-íris simplesmente mágico. Adoro rosas. Adoro bilhar, pizza e coca-cola. Adoro romances e finais felizes. Adoro ouvir músicas em italiano e, mais que tudo, adoro poder adormecer à noite e sonhar... sonhar muito, sonhar sempre... e sorrir por entre os meandros dos meus sonhos até áquele momento mágico que precede o despertar para mais um dia...

quinta-feira, 11 de janeiro de 2007

COMO È BOM SENTIR...

Com os teus braços me envolves
Com as tuas mãos me acaricias
O teu olhar brilhante me atinge
Bem fundo lá no meu coração
A tua meiguice me acalma
A tua beleza me inquieta
Estou serena em tua presença
Fico tranquila quando me beijas
A tua voz me deixa encantada
Sempre que me olhas me descontrolas
És como um anjo enquanto dormes
A tua boca um desejo imenso
Sinto carinho especial por ti
E o tempo parece parar
Nao consigo pensar em mais nada

E um instante sem ti e um minuto sem fim...
E o que eu sinto por TI...

terça-feira, 9 de janeiro de 2007

NÃO CONSIGO TIRAR-TE DA CABEÇA


Adormeço a custo, acordo por nada, viro-me, reviro-me, primeiro o corpo depois a cabeça, os pés empurram-se um ao outro no fundo da escuridão que não suporto, por isso levanto-me, os pés tocam o chão frio e encolhem-se, vou à janela e puxo os estores devagar, primeiro uma fresta, depois duas, três, sete, doze, todas. Fumo um cigarro que deixo a meio e desato a tossir, doem-me as costas, doem-me as pernas, tenho frio e, por isso, volto para a cama à espera do sono que não vem desde que voltaste para casa dela e afinal decidiste que eras mais feliz com ela do que comigo, ela que tem dois filhos e que por isso consegue de ti tudo aquilo de que nao sou capaz. Se eu tivesse dado ouvidos a quem me tentou avisar, "homem casado é uma praga, põe-no a andar antes que ele te dê cabo da vida".

Vida? Qual vida, penso eu deitada na cama, vida tinha eu quando vivias comigo, fazia-te um bife da vazia com batatas fritas e ovo a cavalo, esparramavas-te no "puff" a esvaziar os miolos em frente ao televisor, cada vez que o Benfica jogava o mundo deixava de existir, foi assim que quase aprendi o que era um canto, um livre e um fora de jogo. Livre e fora de jogo estou eu agora, desde que decidiste que eras mais feliz com ela do que comigo, mas tu nunca soubeste o que era ser feliz, por isso é que te foste embora, não me sais da cabeça, estúpido, imbecil, cobarde, idiota, egoísta, odeio-te e amo-te, amo-te e odeio-te, por isso um dia deste acordo e arranjo uma maneira de esquecer, mas primeiro corto o coração que é para me esquecer como dói o amor.
Além de não me saíres da cabeça também me ficaste no corpo. Mas um dia destes, com ou sem cabeça, com ou sem coração, vou conseguir acordar sem pensar em ti durante três minutos e depois adormecer outra vez, sem que nada me acorde e então vou sonhar com o amor, vou empanturrar-me de sonhos, talvez nesse momento me saias da cabeça e desapareças da minha vida para sempre.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

Aviso aos mais distraidos.... CUIDADO


Ora bem, começou um novo ano e eu resolvi começar uma nova vida. Mudei a casa toda (mudei os moveis de sitio, claro, que isto de mudar de mobilias esta pela hora da morte), estou a tratar de mudar a vida amorosa (esta e mais dificil mas tambem se da um jeito) e como nao podia faltar resolvi tirar a carta.
Claro que esta decisao causou polemica ca em casa, como tenho uns amigos que se acham muito engraçadinhos, incluindo a minha querida irma que eu adoro, trataram logo de traçar planos de defesa.
Começaram por dizer que vao instalar radares de deteçao da minha presença na estrada, pediram de joelhos para eu mandar um aviso coletivo sempre que sair a rua e para nao faltar nada, ainda dissram que vao pendurar latas no meu carro para nao correrem riscos desnecessarios.
Que ricos amigos, hem?
Eu sei que sou distraida, que uma das vezes que peguei num carro ia causando um acidente em cadeia nos carros estacionados,tambem sei que a porra da PDI ja se começa a instalar. Mas porra, nao mereço um voto de confiança? Uma palavrinha de insentivo? Que tal, "fazes muito bem, nos vamos dar-te todo o nosso apoio".
Estou de rastos, vou ficar aqui a curtir a minha depre.....


(ja agora, um aviso, CUIDADO, a chavala e perigosa)hehehehe

terça-feira, 2 de janeiro de 2007

O que quero e que sejas feliz


Não sei se sabes, talvez não tenhas tido tempo para perceber que para mim sempre foi e será isso o mais importante, mesmo que a vida te leve para outros caminhos e que sem sequer voltes a cruzar-te comigo.
Não tivemos tempo para nada, o tempo é um ladrão, mas tu és um ladrão ainda mais esperto, porque roubas tempo ao tempo e foi assim que entraste a saíste da minha vida como um furacão e eu agora vou assistindo a cada dia que passa ao crescimento de um fosso imenso entre nós, apesar de todo o amor que sentimos um pelo outro. Já reparaste que este verbo conjugado nesta pessoa é igualzinho no passado e no presente? Mas isso agora não interessa, porque nem tu o queres conjugar em nenhum tempo nem modo, nem eu espero que o faças.
Há alguns anos que aprendi a amar assim e sei que as pessoas que partem são aquelas que amo e que por isso tenho de as deixar ir, mesmo que isso me deixe vazia e cansada. Aprendi a deixar partir as pessoas porque sei que nascemos e morremos sozinhos, que tudo o que é realmente importante na vida descobre-se e aprende-se na solidão.
Mas custa-me, custa-me ver-te cada vez mais cansado e desligado do mundo, como se não tivesses força para viver a tua vida e te alienasses num código de conduta que achas que é o melhor para deixar toda a gente contente, sem teres que pensar em ti. É que é muito mais fácil esqueceres quem foste do que tu julgas. E se habituares a viver assim, os anos vão passar a correr e quando olhares para trás, verás que aquela vida não foi a tua, foi só a que tu pensaste que era mais fácil ter. Mas não adianta falar, porque o que eu quero mesmo é que sejas feliz.
Apesar de tudo, há um truque que te posso ensinar e talvez isto te ajude. Só há uma maneira de uma pessoa ser mesmo feliz, sabes qual é?
Não tem a ver nem com o dinheiro, nem com o sucesso, nem com a fama, nem com a realização dos nossos sonhos. Aprende-se com o tempo e descobre-se com a vida. Pratica-se todos os dias como quem reza e às vezes custa mas vale a pena. É o truque mais difícil do mundo para quem nunca o recebeu e mais fácil para quem já o teve. O truque é fazer feliz, amor é a coisa mais triste quando se desfaz. Mas isso faz parte da vida, como a morte, como a falta de sorte, como a falta de tempo, como o medo e a vontade, como tu e como eu.
E o nosso amor, aquele que o tempo, ou a vida, ou o medo, ou a falta de sorte não deixam construir, está guardado para sempre. Talvez um dia sirva para alguma coisa, para fazer feliz alguém, como eu já te fiz a ti e tu a mim, num tempo fora de todos os tempos em que eras tu que estavas comigo e não uma imagem à tua semelhança que inventaste para enganar o tempo e o mundo.
Quando quiseres descansar e olhar para dentro, verás que não é assim tão difícil. Como tudo o resto, é só querer.

Margarida Rebelo Pinto

domingo, 31 de dezembro de 2006

RECEITA DE ANO NOVO


Para ganhares um belíssimo Ano Novo... Não precisas fazer uma lista de boas intenções
para depois arquivares na gaveta.

Não precisas chorar de arrependimento pelas asneiras consumadas
nem parvamente acreditar que por decreto
da esperança a partir de Janeiro as coisas mudem e haja luz, amor, paz e justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão fresco, direitos respeitados,começando pelo direito de viver.

Para ganhares um Ano Novo que mereça este nome, tu, tens de merecê-lo, tens de fazê-lo novo.

Eu sei que não é fácil mas tenta, experimenta. É dentro de ti que o Ano Novo dorme e espera desde sempre.


FELIZ ANO DE 2007

sábado, 30 de dezembro de 2006

Namorados !!


São uma coisa porreira. Fazem-nos sentir a nós mulheres bonitas, únicas, amadas e desejadas. Chamam-nos Pequeninas, Princesas e outras delícias para o ouvido e o coração, enchem- se de paciência para ouvir os nossos desabafos e alinham com os nossos amigos. Alguns até têm um dom especial para lidar com as nossas mães.
Namorados. São uma coisa porreira. Até ao dia em que acordam e ficam com dúvidas, acendem a luz de alarme do complicómetro e começam a pensar no-que-é-que-isto-vai-dar, ou então ligam o radar que é outra peça que vem sempre agregada ao macho e descobrem que o mundo está cheio a abarrotar de Princesas, Pequeninas e outros seres maravilhosos com longas pestanas, calças de ganga justas e cabelos compridos. E que muitas delas, coitadinhas, estão tão sozinhas, mesmo a precisar de companhia. Como dizia o outro, para mim é mais ou menos como o puré de batata, dá para tudo – o homem caça e luta, a mulher intriga e sonha. E caça mesmo. Perdizes, galinholas, Cláudias, Kátias ou Luisas, tanto faz. Ao meio dia num campo descoberto ou às cinco da manhã na pista da disco, não interessa. O que o Homem gosta é do acto de caçar: se é um safari no Quénia ou uma saída na movida lisboeta, tanto faz. Há que apanhar uma presa e dar-lhe cabo do canastro. O que é preciso é um tipo manter-se vivo, dizia-me outro dia um caçador nato. Como se a vida dependesse disso.
Namorados. São uma coisa porreira, se nunca nos esquecermos que são como os iogurtes: saborosos, docinhos, deliciosos, mas com prazo de validade. Mas há que olhar para o lado do bom da coisa e fazer como diziam os romanos "carpe diem", que é como quem diz, aproveitar o dia e esperar pelo dia seguinte sem esperar nada. Com um bocadinho de sorte, pode ser que ele ainda lá esteja, ou telefone, ou não lhe tenha apetecido ir ás perdizes. Ou às Cláudias.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

Porquê?????????

Há momentos na vida que não obtemos respostas. E caimos na teia dos porquês... "Porquê é que tem de ser assim? Porquê é que aquilo aconteceu? Porquê eu?"etc.
Prendemo-nos num mundo de dúvidas, de incertezas e de uma tremenda confusão. O céu que brilhava de repente ficou nublado e até hoje ainda esta assim... Nuvens cinzentas cercam-me e fazem-me sentir cada vez mais perdida. Sei que tenho de tomar uma decisão mas não é facil.
Queria ao menos uma explicação para tudo o que aconteceu e para tudo o que acontece na minha vida mas tudo ficou por esclarecer . Nem ao menos uma explicação quiseste dar, fugis-te dizendo para eu acreditar no que quisesse. A minha mente ainda continua conturbada. O meu coração quer acreditar em ti mas a razão não acredita e diz-me que tenho de lhe dar uma oportunidade. Pois sempre segui o meu coração e ele já me traiu.
Daqui a pouco tempo terei que seguir um caminho e já não sei o que é melhor para mim..
Será que devo desistir ou me aproximar?! Se desistir, talvez nunca saiba realmente o que aconteceu, e eu preciso de saber a verdade. Mas também se me aproximar posso vir a sofrer por ver o que eu não quero. O tempo vai passando e eu vou ter de tomar uma decisão que irá mudar a minha vida... qual é ainda não sei mas espero que seja a melhor!

Quando me quiseres

Calço meus sapatos, fecho a minha mala.
Pouca coisa para levar, quase tudo para ficar.
Lembranças eu não quero; vivências que eu supero.
Vou com muita certeza, não admito estranheza
daqueles que não me amaram.
Quero a vida que não tive, nesse tempo todo que estive
tão próxima do anonimato.
Serei feliz, do meu jeito, sem toda essa dor dentro do peito
na espera inútil de findar.
Ouvirei de longe o seu chamado e, com os olhos bem fechados,
seguirei meu coração.
Todos os passos eu darei, como sempre imaginei...
em sua direção

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Para isso fomos feitos

Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes

Nao falta nada....

Todos nós pensamos que precisamos de algo. Mas a verdade é que não precisamos de absolutamente nada.

Já temos tudo o que precisamos.

O problema surge quando pensamos que temos que continuar a receber - é o ter que provoca a necessidade. Mas o que quer que seja que possamos ter não é para guardar, é para dar. E quando tu dás, tu recebes. No fundo todos nós o sabemos mas somos condicionados a pensar o oposto.

Se começares a dar, dar, dar - ajuda, tempo, energia - compreenderás o paradoxo: de que já tens tudo o que precisas!...